CASES KNN | “Eu chorei a primeira vez que vi a metodologia em prática”, conta a franqueada Roberta Abreu

CASES KNN | “Eu chorei a primeira vez que vi a metodologia em prática”, conta a franqueada Roberta Abreu

A empreendedora do estado do Rio de Janeiro é especializada em educação e hoje possui duas unidades da franquia.

A área pedagógica por vezes é a maior questão de dúvida na hora de empreendedores avaliarem uma franquia de educação. Assim como o pão de uma panificadora precisa ser perfeito para que os clientes voltem, as aulas de uma escola de idiomas precisam ser pedagogicamente eficientes para que o estudante desenvolva a tão desejada fluência na língua escolhida. Conheça a história de Roberta da Costa Abreu, de 37 anos.

Assim como o CEO da KNN, Reginaldo Boeira, Roberta também começou sua vida profissional vendendo doces. Nascida na cidade de Campo Grande, localizada na região noroeste do estado do Rio de Janeiro, aos 10 anos, ela começou a aprender inglês e a se apaixonar pelo estudo de idiomas, o que viria a se tornar sua maior especialidade no futuro.

Ensinar também era algo que partia de seu coração. Aos 14 anos de idade, Roberta passou a dar aulas de teatro fornecidas gratuitamente pela prefeitura de seu munícipio, paralelamente enquanto ajudava a cuidar da panificadora de sua família. O trabalho não somente tinha um valor muito grande para empreendedora, como também era seu sustento e o meio que encontrou de bancar a sua faculdade.

Ao se transferir para Macaé (RJ), a professora inicia o curso de Letras na Fundação Educacional Luiz Reid (Fafima), concluindo mais tarde na Universidade Iguaçu (UNIG). Ao se formar, a primeira oportunidade de ensinar inglês foi sendo aprovada em um concurso para aulas em turmas de ensino fundamental na cidade de Bom Jesus do Norte (ES). A experiência como professora concursada foi o bastante para engatilhar a vontade de ter mais liberdade e independência em uma escola própria – Através disso nasce a escola Language Center em meados do ano de 2007.

Em entrevista para o KNN News, Roberta relembra seu passado com a escola de marca própria que montou: “Convidei uma amiga, minha irmã e mais uma professora de inglês para trabalharem comigo lá. O material que utilizávamos era terceirizado, mas eu também gostava muito de adaptar conforme o que eu acreditava que era correto”, conta a empreendedora.

Enquanto lutava para transformar sua escola em um sucesso, Roberta não se acomodou e foi buscar mais conhecimento na área de idiomas. A pós-graduação em Língua Inglesa na Universidade Iguaçu (UNIG) em Itaperuna fez com que a profissional tivesse discernimento necessário para avaliar a qualidade e eficiência de metodologias do idioma. “A partir daí, eu comecei a ficar muito criteriosa em relação a parte pedagógica e também o que estávamos trazendo para dentro das salas de aula”, conta.  

O negócio cresceu ligeiramente. A cada ano, a empreendedora tinha que construir uma sala nova para comportar mais alunos e investir em contratação de pessoal. Conforme o tempo passava, Roberta adequava sua metodologia de acordo com o que percebia ser mais eficaz com seus alunos. “O adulto, principalmente, tem uma sede muito grande de falar o idioma, conseguir conversar. Eu percebi que a evolução era mais rápida quando aplicávamos menos provas e focávamos mais em conversação. Percebia contradições na metodologia que utilizávamos que me deixavam insatisfeita”, conta.

Ainda que a Language Center de Roberta estivesse crescendo e conquistando mais alunos, algo a incomodava muito. “A questão financeira deixava muito a desejar. Eu tinha o projeto de uma van para buscar os alunos, por exemplo, que nunca saiu do papel”, conta. Ainda assim, ela não desanimou. Em 2016, abriu sua segunda escola na cidade de São José do Calçado (ES). Um ano após a inauguração, a empreendedora conclui seu mestrado em Ensino e Formação de Professores na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Mesmo com todo o conhecimento e aplicação de Roberta, o sucesso de suas escolas estava longe do esperado. Em abril de 2020, as coisas estavam prestes a mudar. “A equipe da KNN Brasil fez uma proposta de conversão de marca. Eles já haviam me oferecido isso alguns anos atrás, mas recusei. Neste novo contato, a minha percepção sobre investimentos estava diferente. Eu tinha que fazer algo para mudar. Do jeito que estava não podia continuar”.

A primeira vez que a empreendedora ouviu falar da metodologia, ficou bem resistente. “A questão da tradução nos primeiros módulos me deixou um pouco insegura”, conta. Ainda que a dúvida pairasse, decidiu apostar na KNN. Em outubro do mesmo ano, topou vir à Santa Catarina conhecer algumas escolas. Era hora de Roberta conhecer como funcionava uma aula da KNN na prática e ao vivo.

“Fomos a algumas escolas e para mim aquilo foi uma experiência transformadora!“. A partir do momento a que empreendedora viu a metodologia em prática, as suas objeções acabaram. “Durante a visita na KNN de Itajaí (SC), fiquei assistindo a uma aula de Keep Talking 1, que equivale ao quarto módulo do curso de inglês. Simplesmente fiquei impressionada com o nível de conversação daqueles estudantes. Eu enxerguei os meus alunos ali, conversando e respondendo perfeitamente. Fiquei muito emocionada. Pedi para sair da sala porque estava chorando de emoção”, relata.

Após o processo de conversão de marca e sem dúvidas de que seus alunos estariam com uma boa metodologia em mãos, a primeira KNN de Roberta da Costa de Abreu é inaugurada em 5 de dezembro de 2020 na cidade de São José do Calçado (ES). A escola, que antes possuía 20 alunos, em menos de trinta dias de reinauguração, conquistou mais 85 alunos. Em sua segunda escola, em Bom Jesus de Itabapoana, o resultado do investimento foi maior ainda. Seu número de alunos dobrou de 100 para 205.

“Nesses 22 anos de história com ensino da língua inglesa, eu jamais faria uma troca que não fosse para melhor. Em termos de metodologia, a KNN veio a agregar muito, de uma forma muito incrível. Os alunos que já eram das antigas escolas estão encantados, porque sentem a diferença na prática, assim como os alunos novos. Em termos de setores e suporte, a rede é muito organizada e o suporte fornecido também é incrível”, avalia.

ROBERTA DA COSTA ABREU, FRANQUEADA KNN.

Hoje, Roberta consegue ter uma visão mais ampla em relação a gestão de suas escolas e também colocou em prática a sua ideia de fornecer transporte aos seus alunos através de uma van. “Todos os professores ficaram satisfeitos após a conversão. Pode vir para KNN que não tem erro!”, brinca.

Para mais informações sobre o modelo de negócios da franquia KNN, acesse o site e seja um franqueado também.

LEIA TAMBÉM:

CASES KNN | Multifranqueados de Mato Grosso do Sul: a história de Elaine, Luiz, Alexandre e Ana

Reynaldo Gianecchini estrela as novas campanhas da KNN

Franquias de Idiomas ainda são um bom investimento? Descubra a verdade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.